quarta-feira, 9 de julho de 2014

Releitura



            Releitura não é simplesmente uma cópia, nem plágio, muito menos uma falsificação. Consiste, sim, na criação de uma nova obra, realizada a partir de outra feita anteriormente, acrescentando nessa nova produção um toque pessoal e uma nova maneira de ver e sentir. Significa fazer um trabalho com uma visão diferente daquela que o artista que a criou utilizou. As possibilidades são muito variadas, você pode encontrar, por exemplo, uma obra, famosa ou não, e desejar fazer uma interpretação dela. Ou seja, se for uma pintura você poderá fazer a sua pintura com elementos que o autor utilizou na original, mas, de acordo com a sua concepção do tema.

"Diferença entre Releitura e Cópia!"

Existem algumas e importantes diferenças entre copiar uma obra e fazer a releitura de uma obra.
            Releituras de obras de artes, sejam famosas ou não, é PERMITIDO e ensinado nas Escolas de Belas Artes. Não existiu um só gênio do passado que não tenha feito Releitura.
Picasso declarou: “Fazer uma boa releitura é divino, pintar porcaria é para cretino”. Evidente que você tem que assinar, não precisa constar que é Releitura em lugar algum, mas é elegante que se mencione ser uma releitura. No entanto, ao registrar sua obra, fazer exposição ou catalogar, é Ético colocar a origem da releitura, citando o autor anterior, isto é ser um ORIGINAL, pois criar neste planeta é impossível (Lavoisier).
Toda RELEITURA é uma nova obra, portanto do autor da mesma e claro, pode ser vendida. Uma releitura NÃO é uma reprodução.
Tantas são as versões de Monalisa, e todas, são esplêndidas, ricas em detalhes e admiradas por todos, inclusive, pelo nosso querido Romero Britto, que com todo o seu talento, um dia teve a vontade e a curiosidade de vestir a Monalisa no seu jeito e estilo e o fez de uma forma única, magnífica. Não podemos esquecer, também, o sucesso da Mônica Lisa, de Maurício de Sousa.
Mas a pintura não é a única forma de arte que pode ter uma releitura, é possível fazer isso com poesias, músicas, textos. Por exemplo, alguns diretores de teatro e cinema fazem releituras de roteiros consagrados para a nossa realidade. Um bom exemplo é a história de “Romeu e Julieta”, de shakespeare, que já recebeu diversas releituras.



Para a realização de uma releitura podemos interferir com colagens, pinturas, desenhos ou mesmo modelagem. O que importa é a criatividade e o respeito pela obra original.
 

              Colocando em prática

1 - Qual a diferença entre Releitura e Cópia?



2 - Além da pintura o que mais pode ser usada como fonte para uma releitura?



3- Agora é a sua vez de fazer uma releitura, utilizando o recurso que preferir (desenho, pintura, modelagem, colagem, entalhe, fotografia...). Observe as imagens a seguir e escolha a que mais lhe agrada para o trabalho de releitura.




 
     4 - Na publicidade existem várias marcas que utilizam ou utilizaram obras de arte para releitura. Pesquise em revistas, jornais, internet... e faça uma colagem com as releituras, citando o nome da obra original do autor.




 




Fonte:
http://atelielucianasevero.blogspot.com
­­­­­­­­­­­­­­­­­http://www.o-que-e.com/o-que-e-releitura
A arte de fazer arte. Vol. 8.  Editora Saraiva
 

Um comentário:

  1. Olá Fabiana, tudo bem? Estava procurando a definição de cartum, encontrei seu blog e adorei! Suas postagens são muito didáticas, parabéns! Por vezes tenho certa dificuldade em encontrar meu estilo de arte, você fez alguma postagem sobre esse assunto? Gratidão, Camila

    ResponderExcluir